Cimento biodinâmico e suas propriedades

As fachadas têm desempenhado um papel a mais no quesito de sustentabilidade, seja pela forte relação com o desempenho energético da edificação, seja como plano vegetado, ou como elemento para melhorar a qualidade do ar. Hoje iremos falar de outra tecnologia capaz de filtrar as substâncias tóxicas do ar: o cimento biodinâmico.

 

O envelope de cimento biodinâmico do Pavilhão Italiano, na Expo 2015. (Foto autoral).
O envelope de cimento biodinâmico do Pavilhão Italiano, na Expo 2015. (Foto autoral).

 

O que é o cimento biodinâmico?

Criado pelo químico Luigi Cassar, da empresa italiana Italcementi, o cimento biodinâmico tem propriedades fotocatalíticas. Em outras palavras, seu princípio ativo é acionado com a radiação solar e é capaz de capturar alguns poluentes presentes no ar, convertendo-os em sais inertes que são lavados com as chuvas. Além disso, apresenta tamanha fluidez, que permite a criação de formas complexas, com qualidade de superfície acabada.

Falando em acabamento, por sua argamassa ser feita com 80% de agregados reciclados provenientes das sobras de mármore, o cimento biodinâmico tem uma coloração branca muito mais brilhante do que os concretos brancos convencionais.

Vamos às obras?

 

Igreja Dio Padre Misericordioso:

Projetada por Richard Meier, a Igreja Dio Padre Misericordioso possui três estruturas que lembram velas para representar a Trindade.

O cimento biodinâmico foi aqui utilizado principalmente porque se mantém branco ao longo do tempo. O ativo de óxido de titânio, ao impulsionar a reação química com os poluentes do ar, mantém intacta a superfície de concreto.

 

Igreja Dives in Misericordia. (Fonte: Isplora).
Igreja Dio Padre Misericordioso, também conhecida como Igreja do Jubileu, em Roma. (Fonte: Isplora).

 

As "velas" brancas não sofrem mudanças de coloração, mesmo em contato com poluentes. (Fonte: Richard Meier).
As “velas” brancas não sofrem mudanças de coloração, mesmo em contato com poluentes. (Fonte: Richard Meier).

 

 

Pavilhão Italiano na Expo 2015 – Alimentando o Planeta, Energia para Vida:

O pavilhão italiano para a Expo 2015 , em Milão foi o ganhador entre outras 67 propostas. Segundo os avaliadores, o projeto de Nemesi Studio foi escolhido pelas suas características sustentáveis, pelo valor arquitetônico e pela sua complexidade escultural.

O design tinha como objetivo integrar diferentes recursos naturais. O arquiteto explica que se inspirou no conceito de floresta urbana. Assim, o envelope da construção remete a galhos, com cheios e vazios/luz e sombra, feitos com cimento biodinâmico. Eram 13 mil m2 de superfície capazes de filtrar poluentes atmosféricos.

Além destas características “purificadoras”, o pavilhão possuía vidros fotovoltaicos e coletores solares, concedendo-o eficiência energética.

 

Fachada do pavilhão italiano, na Expo 2015. (Fonte: Arch2o).
Fachada do pavilhão italiano, na Expo 2015. (Fonte: Arch2o).

 

 

Montagem da fachada com os painéis de cimento biodinâmico. (Fonte: Arch2o).
Montagem da fachada com os painéis de cimento biodinâmico. (Fonte: Arch2o).

 

 

Com tudo isso exposto, podemos ver como as fachadas, cada vez mais, deixam de ser apenas envelopes estanques para desempenhar funções dinâmicas. Através destas nanotecnologias, podemos melhorar e muito nossa qualidade de vida. Claro que elas, ainda, representam apenas acupunturas urbanas: são casos isolados, que não influenciam efetivamente uma melhora nos níveis de poluição atmosférica.

Segundo estimativas de Luigi Cassar, se 15% da cidade de Milão utilizasse este tipo de cimento, os poluentes atmosféricos reduziriam em 50%. Isso com apenas um custo adicional de 10% sobre o cimento tradicional. Acho que não resta dúvidas que o bem ambiental supera o financeiro…

Por isso a importância de tecnologias como estas serem disseminadas: elas são apenas eficazes quando alcançam escala urbana. Mas, um passo de cada vez, não é mesmo?

 

 


Quer relembrar alguns posts sobre fachadas?

  1. Ar poluído? A fachada pode ajudar!
  2. Clima e ornamento: como o Biochar particioa desta equação?
  3. Tree Storey: a fachada verde de Vijayawada
  4. Magic Breeze: mais jardins na terra, mais jardins no céu
  5. Fachadas vivas: vantagens e exemplos
  6. Fachada viva: sua casa também pode ter uma

Fontes:

Arch2OItalcementiIsploraSmart MagazineRichard Meier

Salvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *