VIMOB: a casa para se isolar do mundo!

Sabe aquele lugar de difícil acesso? Métodos construtivos tradicionais são complicados de serem executados, demorados e caros, tanto pela logística do material quanto pela mão de obra. Com isso em mente, arquitetos colombianos do Colectivo Creativo vieram com a ideia das casas VIMOB.

 

VIMOB
VIMOB, uma casa no seu refúgio mais remoto. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

O conceito é que, através da pré-fabricação e modularidade da residência, a construção em lugares de difícil acesso seria facilitada. A casa é constituída de peças, que são entregues desmontadas no local da construção. De forma rápida, limpa e com reduzido número de mão de obra e ferramentas, é possível remontá-la no lugar de seu desejo, por mais remoto que seja.

 

 

 

O desenho é bem simples e eficiente, com boa espacialidade e proporções. São cinco modelos diferentes, de acordo com a necessidade de cada cliente: XS, S, M, L (com dois layouts distintos) e XL.

 

VIMOB XS é a menor de todas, com 19.2 m2. Composta por um único ambiente, um banheiro e a área externa. (Fonte: Colectivo Creativo).
VIMOB XS é a menor de todas, com 19.2 m2. Composta por um único ambiente, um banheiro e a área externa. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

 

VIMOB S possui 29.5 m2, com um dormitório, um banheiro e um ambiente integrado de salas e cozinha. (Fonte: Colectivo Creativo).
VIMOB S possui 29.5 m2, com um dormitório, um banheiro e um ambiente integrado de salas e cozinha. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

 

A VIMOB M, de 36 m2, possui um dormitório a mais que a Casa S. (Fonte: Colectivo Creativo).
A VIMOB M, de 36 m2, possui um dormitório a mais que a Casa S. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

 

Os dois modelos da VIMOB L têm 80 m2. São dois volumes maiores, conectados por um menor de acesso. O conceito integrado continua nesta proposta, com a cozinha americana e sala. Podemos ver que em ambos, há um lavabo e uma lavanderia. A diferença entre eles é que o Tipo 1, à esquerda, possui dois dormitórios compartilhando o banheiro e uma sala íntima. O Tipo 2 são duas suítes, uma delas com closet. (Fonte: Colectivo Creativo).
Os dois modelos da VIMOB L têm 80 m2. São dois volumes maiores, conectados por um menor de acesso. O conceito integrado continua nesta proposta, com a cozinha americana e sala. Podemos ver que em ambos, há um lavabo e uma lavanderia. A diferença entre eles é que o Tipo 1, à esquerda, possui dois dormitórios compartilhando o banheiro e uma sala íntima. O Tipo 2 são duas suítes, uma delas com closet. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

 

Composta por três volumes principais, a VIMOB XL é a maior opção destas residências. São duas suítes, dois dormitórios, cozinha e salas integradas, lavanderia e escritório, totalizando 113 m2. (Fonte: Colectivo Creativo).
Composta por três volumes principais, a VIMOB XL é a maior opção destas residências. São duas suítes, dois dormitórios, cozinha e salas integradas, lavanderia e escritório, totalizando 113 m2. (Fonte: Colectivo Creativo).

 

 

 

Por que a VIMOB pode ser considerada sustentável?

 

Como podemos ver, o custo e tempo de construção é um dado mais preciso nesse tipo de residência do que uma construída tradicionalmente. Ou seja, menos desperdício de materiais, menos gastos imprevistos de obra e rápida execução. Ponto positivo número um!

O segundo ponto é quanto a durabilidade da construção. Segundo o fabricante, os materiais utilizados também seguem o mesmo tempo de ciclo de vida que uma residência tradicional.

A terceira coisa é relacionada a estrutura. Composta por perfis metálicos, que podem ser facilmente montados no local, a VIMOB é apenas sobreposta no terreno. Isso não causa impacto no lote, além de facilitar sua construção. No caso de deslocamento para outra localidade, não há necessidade de demolições, podendo ser apenas desmontada e remontada.

Outros pontos que podemos citar são as amplas aberturas, principalmente nas salas, e o conforto térmico prometido pelo fabricante. Segundo eles, a casa consegue manter uma temperatura agradável, mesmo com reduzido uso de ar-condicionado e calefação, pela baixa condutividade térmica de seus materiais.

E o mais interessante… Se estamos falando de um local remoto, podemos adaptá-la a uma situação off the grid, já que a infraestrutura deve ser escassa. Apesar do Colectivo Creativo não comentar sobre esta possibilidade, sabemos que é possível, por exemplo, utilizar energias renováveis com geração no próprio terreno.

 

Vejam mais um vídeo, mostrando detalhes de um dos modelos construído:

 

 

 

Fontes:

Colectivo CreativoColectivo Creativo no YoutubeIS Arquictetura

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *