Califórnia se destaca em projetos sustentáveis

Oh yeah! Sunny California! Depois de passar frio em Nova York, merecemos um outono mais ameno! Mas não é bem por isso que estamos aqui… A Califórnia tem muuuuuito a nos ensinar sobre posturas sustentáveis. Aqui, o governo incentiva o desenvolvimento sustentável através de benefícios fiscais, pois acredita que estas práticas levam a um ambiente mais saudável, com modelos construtivos mais eficientes. Querem ver o resultado de tudo isso?

 

Califórnia e a Sustentabilidade:

Pesquisas apontam que edifícios projetados e operados com consciência de seus impactos e ciclos de vida alcançam maiores benefícios ambientais, econômicos e sociais. Com estes dados em mãos, é possível adotar soluções alternativas, que aliviam o rastro deixado pela urbanização. Mas, claro, tudo tem seu preço…

Energias renováveis, sistemas eficientes, gerenciamento dos recursos hídricos, materiais ecológicos, diminuição do desperdício, qualidade interna da edificação, crescimento planejado… Todas estas soluções têm custos iniciais que excedem o valor das construções tradicionais. Por mais que estas tecnologias se paguem em um tempo razoável, o que fazer para intensificar o seu uso?

Sendo assim, o governo da Califórnia juntamente com o federal criaram vários programas de incentivos para o desenvolvimento sustentável. [Se quiserem saber mais detalhes sobre estes programas, leiam aqui.] E essa postura deu super certo! Não é a toa que o estado aparece em peso no ranking do The American Institute of Architects (AIA) e Committee on the Environment (COTE) das arquiteturas mais sustentáveis de 2016. Essa premiação homenageia projetos que protegem e melhoram o meio ambiente, através da integração de arquitetura, sistemas naturais e tecnologia.

 

Vamos ao TOP 10:

  1. Biosciences Research Building (Galway, Irlanda);
  2. Center for Sustainable Landscapes (Pittsburgh, PA);
  3. Exploratorium at Pier 15 (San Francisco, CA);
  4. H-E-B at Mueller (Austin, TX);
  5. Jacobs Institute for Design Innovation (Berkeley, CA);
  6. Rene Cazenave Apartments (San Francisco, CA);
  7. The Dixon Water Foundation Josey Pavilion (Decatur, TX);
  8. The J. Craig Venter Institute (San Diego, CA);
  9. University of Wyoming — Visual Arts Facility (Laramie, WY);
  10. West Branch of the Berkeley Public Library (Berkeley, CA).

 

Viram? Metade dos projetos premiados estão na Califórnia… E veremos a seguir um pouquinho sobre cada um deles.

 

 

Exploratorium at Pier 15, por EHDD:

 

Esta edificação é um museu de ciências interativo, que acentua a inovação e sustentabilidade em toda sua construção. Por estes motivos, recebeu a certificação LEED Platina e está próximo de receber a nomeação de maior museu net zero de energia dos EUA. Podemos destacar:

  • O arquiteto aproveitou a construção antiga do píer, com suas aberturas zenitais e longos panos de cobertura para instalar uma série de placas fotovoltaicas, capazes de gerar 1.3 megawatt;
  • Aproveitamento das condições naturais do entorno, por exemplo, a água da baía é utilizada tanto no aquecimento quanto na refrigeração do edifício;
  • Os materiais são ecológicos e duráveis, mesmo nas condições de maresia.

 

Vista da baía. (Fonte: AIA).
Vista da baía. (Fonte: AIA).

 

 

Jacobs Institute for Design Innovation, por 
Leddy Maytum Stacy Architects:

 

Com a ideia de que o design pode ajudar em alguns desafios da sociedade, o edifício tem como objetivo introduzir inovação sustentável através da união deste primeiro com a tecnologia, na vida universitária de UC Berkeley.

Os espaços foram feitos para incentivar o ensino colaborativo, com destaque para soluções de elevada densidade, de baixas taxas de carbono e de redução do consumo energético.

 

Vista do Jacobs Institute for Design Innovation, na Califórnia. (Fonte: AIA).
Vista do Jacobs Institute for Design Innovation. (Fonte: AIA).

 

Rene Cazenave Apartments, por
 Leddy Maytum Stacy Architects e Saida + Sullivan Design Partners

 

Um antigo estacionamento e acesso para a avenida foram transformados em abrigo para ex-moradores de rua. No local, foi construído um edifício com alta densidade e estilo de vida alternativo e saudável. Podemos destacar os seguintes itens:

  • Filtro na ventilação, para manter a qualidade interna de ar, já que o edifício está muito próximo ao fluxo intenso de veículos;
  • Materiais de baixa emissão de carbono;
  • Aberturas amplas para se tirar maior proveito da iluminação natural;
  • A eficiência energética foi alcançada pela escolha da iluminação, pelo aquecimento hidrônico e por placas fotovoltaicas que geram energia e aquecem a água;
  • Um envelope contínuo protege o edifício das chuvas;
  • A água é gerenciada através da cobertura verde, irrigação inteligente, um tanque de coleta de águas pluviais e um sistema de reaproveitamento de águas cinzas.
  • Placas solares, tanto para geração de energia quanto para aquecimento de água.

 


O edifício fica em contato com uma avenida de grande fluxo. (Fonte: Archdaily).
O edifício fica em contato com uma avenida de grande fluxo. (Fonte: Archdaily).

 

 

The J. Craig Venter Institute, por ZGF Architects LLP

 

O instituto de pesquisa sem fins lucrativos é dedicado ao estudo do genoma. Os arquitetos aqui tiveram uma missão de projetar o primeiro edifício de laboratório dos Estados Unidos com net-zero de energia. Além da ótima performance energética, a edificação também tem dispositivos para economizar água e os materiais empregados são sustentáveis.

Todo o esforço resultou em uma certificação LEED Platina.

 

 O J. Craig Venter Institute, em San Diego, Califórnia. (Fonte: AIA).
O J. Craig Venter Institute, em San Diego, Califórnia. (Fonte: AIA).

 

 

West Branch of the Berkeley Public Library, por Harley Ellis Devereaux:

Este projeto é a primeira biblioteca pública da California certificada pelo Living Building Challenge (LBC) como net-zero de energia. Foram utilizadas estratégias integradas de aproveitamento de iluminação e ventilação naturais com um envelope de alta performance, listadas a seguir:

  • 97% do edifício utiliza apenas iluminação natural durante o dia;
  • O efeito chaminé aumenta a ventilação cruzada e protege o interior da biblioteca dos ruídos da rua;
  • Fontes de energia renovável no próprio terreno, com placas fotovoltaicas;
  • Sistema solar de aquecimento de água, de aquecimento e de arrefecimento.

 

Vista da biblioteca. (Fonte: AIA).
Vista da biblioteca. (Fonte: AIA).

 

 

 


O Center for Sustainable Landscapes (CSL), em Pittsburgh, que também está no ranking de arquitetura sustentável top 10 da AIA e COTE, já apareceu aqui no Greentopia. Para relembrar este projeto, acesse aqui.


 

Fontes:

AIAArchdailyHuffington PostStoel Rives

Salvar

Salvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *