Sistemas inteligentes: mudança climática, mudança de design

Com a ameaça da mudança climática, o papel de designers, arquitetos e engenheiros nunca foi tão importante. Sistemas inteligentes podem sair da escala micro para a macro e otimizar a eficiência dos edifícios a caminho de um mundo mais sustentável.

Em um desenho básico, diversos materiais simples com diferentes propriedades são combinados para cumprir determinada função mais complexa. Esses materiais passam a trabalhar interligados e funcionam como uma cadeia. Isso acontece na estrutura, nos isolamentos térmicos e acústicos, na iluminação, nos sistemas de refrigeração e aquecimento, etc. Porém, a edificação é capaz de se adaptar às mudanças climáticas que estamos passando? Apenas estas relações estáticas serão eficazes o suficiente para manter o conforto térmico no futuro?

 

Sistemas inteligentes de fachada cinética do Café-Restaurante Open, em Amsterdã. Com módulos ajustáveis, a fachada pode se adaptar às variações climáticas e posição do sol. Projeto por Cie. (Fonte: Cie).
Fachada cinética do Café-Restaurante Open, em Amsterdã. Com módulos ajustáveis, a fachada pode se adaptar às variações climáticas e posição do sol. Projeto por Cie. (Fonte: Cie).

 

Os sistemas inteligentes:

Sistemas inteligentes possuem custos iniciais mais elevados. Porém, trazem benefícios e economias futuras, que geram o retorno do investimento.

 

Em aberturas e fachadas:

O uso mais comum desses sistemas é em aberturas e em fachadas. Isso se dá porque eles são os “portais” de troca com o meio externo. A fim de alcançar um conforto interno, calor, radiação e luminosidade devem estar em equilíbrio. Para isso, filmes especiais podem ser aplicados nos vidros, capazes de barrar parcialmente a entrada de calor, mas não a luz. Outra opção é de se utilizar vidros ou películas com a capacidade de mudar de cor de acordo com necessidade.

 

De tecnologia da View, os vidros com pintura eletrocromática mudam de cor de acordo com a necessidade. Eles são controlados por um software, que relaciona temperatura interna e externa, radiação solar e ocupação. O custo dessa tecnologia é cerca de 50% a mais que vidros comuns, porém gera-se uma economia de 20% na operação do edifício. Isso quer dizer um retorno do investimento em cerca de 2 anos. (Fonte: Green Optimistic).
De tecnologia da View, os vidros com pintura eletrocromática mudam de cor de acordo com a necessidade. Eles são controlados por um software, que relaciona temperatura interna e externa, radiação solar e ocupação. O custo dessa tecnologia é cerca de 50% a mais que vidros comuns, porém gera-se uma economia de 20% na operação do edifício. Isso quer dizer um retorno do investimento em cerca de 2 anos. (Fonte: Green Optimistic).

 

Em fachadas, brises automatizados que controlam a entrada da radiação solar e fachadas duplas dificultam as trocas térmicas com o exterior.

 

A fachada das torres Al Bahar são compostas por painéis, que se movem em resposta a exposição solar. Muito importante para a eficiência dos edifícios, uma vez que estão implantados em Abu Dhabi. Projeto por Aedas Architects. (Fonte: El Paralex).
A fachada das torres Al Bahar são compostas por painéis, que se movem em resposta a exposição solar. Muito importante para a eficiência dos edifícios, uma vez que estão implantados em Abu Dhabi. Projeto por Aedas Architects. (Fonte: El Paralex).

 

Fachada dupla com aplicação de películas especiais, no Tribunal Regional do Trabalho de Goiânia. Projeto por Corsi Hirano Arquitetos + R. Nishimura. (Fonte: Arcoweb).
Fachada dupla com aplicação de películas especiais, no Tribunal Regional do Trabalho de Goiânia. Projeto por Corsi Hirano Arquitetos + R. Nishimura. (Fonte: Arcoweb).

 

Iluminação e sistemas de refrigeração e aquecimento:

Sistemas inteligentes também são utilizados na iluminação e refrigeração/aquecimento e têm grande influência no consumo energético da edificação. Através do monitoramento e controle de luminosidade, temperatura, umidade do ar, níveis de CO2 por sensores, estes sistemas apenas são acionados quando necessário, reduzindo o custo de operação. Esta economia incentiva o investimento inicial em, por exemplo, placas fotovoltaicas, sensores e sistemas LED.

Iluminação Smart LED, da Solatube: combina a luz solar captada através da estrutura reflexiva tubular com o LED. Quando a luz natural está baixa, a artificial automaticamente se liga, gerando uma considerável economia de energia. (Fonte: Modlar).
Iluminação Smart LED, da Solatube: combina a luz solar captada através da estrutura reflexiva tubular com o LED. Quando a luz natural está baixa, a artificial automaticamente se liga, gerando uma considerável economia de energia. (Fonte: Modlar).

 

As mudanças são constantes. Por isso, cada vez mais, sistemas inteligentes estão sendo utilizados na construção. Eles fornecem ao edifício a capacidade de se adaptar a novas condições climáticas. Além de possibilitar uma análise mais clara do meio ambiente que nos cerca, nos dando parâmetros para transferirmos nossas ações em uma escala menor para uma maior.

 

 


Querem relembrar outras fachadas com propriedades fascinantes que já apareceram por aqui? Corre lá!

  1. Prosolve
  2. Biochar
  3. Cimento biodinâmico

 

Fontes:

Architecture and DesignArcowebCieEl ParalexGreen OptimisticHype ScienceModlarMr. Man Notícias

Salvar

Salvar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *